Climate Science Glossary

Term Lookup

Enter a term in the search box to find its definition.

Settings

Use the controls in the far right panel to increase or decrease the number of terms automatically displayed (or to completely turn that feature off).

Term Lookup

Settings


All IPCC definitions taken from Climate Change 2007: The Physical Science Basis. Working Group I Contribution to the Fourth Assessment Report of the Intergovernmental Panel on Climate Change, Annex I, Glossary, pp. 941-954. Cambridge University Press.

Home Arguments Software Resources Comments The Consensus Project Translations About Donate

Twitter Facebook YouTube Pinterest

RSS Posts RSS Comments Email Subscribe


Climate's changed before
It's the sun
It's not bad
There is no consensus
It's cooling
Models are unreliable
Temp record is unreliable
Animals and plants can adapt
It hasn't warmed since 1998
Antarctica is gaining ice
View All Arguments...



Username
Password
Keep me logged in
New? Register here
Forgot your password?

Latest Posts

Archives

Climate Hustle

Tentativas de pôr em dúvida o consenso científico sobre as mudanças climáticas apesar dos 97% de aprovação

O que a ciência diz...

O artigo de Schulte enaltece o fato de que 48% dos artigos que eles pesquisaram são neutros, recusando-se a aceitar ou rejeitar o aquecimento global antrópico. O fato de que tantos estudos sobre mudanças climáticas não se preocupem em endossar a posição de consenso é significativo porque os cientistas deixaram de discutir as causas do aquecimento global para discutir os detalhes do problema (p.ex. - quão rápido, quando, impactos, etc.). 

Argumento cético...

Menos da metade das publicações científicas endossam o aquecimento global

Klaus-Martin Schulte examinou todos os artigos publicados de 2004 a Fevereiro de 2007. De um total de 528 artigos sobre mudanças climáticas, somente 38 (7%) endossaram explicitamente o consenso. Enquanto, apenas 32 artigos (6%) rejeitam o consenso, a maior categoria (48%) é neutra, recusando-se a aceitar ou rejeitar a hipótese. Apenas um único artigo fez referência às mudanças climáticas levando a resultados catastróficos. (Fonte: DailyTech)

O artigo de Schulte (de acordo com a versão do DailyTech) destaca o fato de que somente um artigo endossa as 'mudanças climáticas catastróficas'. Essa é a clássica falácia do espantalho. O artigo de Oreskes de 2004 não se referiu a uma catástrofe iminente. Nem o IPCC e nem as Academias de Ciência dos 11 países que endossam a posição de consenso de que a maior parte do aquecimento dos últimos 50 anos se deve, provavelmente, ao aumento da concentração dos gases de efeito estufa.

Ainda mais confusão é feita sobre o grande percentual de artigos neutros. Ironicamente, Oreskes enfatizou o mesmo ponto em 2004 quando ela publicou  The Scientific Consensus on Climate Change (O Consenso Científico sobre as Mudanças Climáticas). Atualmente, os artigos de ciências da Terra raramente endossam explicitamente as placas tectônicas como a teoria estabelecida e garantida. O fato de que tantos estudos sobre mudanças climáticas não se preocupem em endossar a posição de consenso é significativo porque os cientistas deixaram de discutir as causas do aquecimento global para discutir os detalhes do problema (p.ex. - quão rápido, quando, impactos, etc.).

Qual dos 6% de artigos rejeita o AGA (aquecimento global antrópico)? A abordagem mais apropriada seria ver o que esses artigos dizem de verdade. O artigo de Schulte ainda não foi publicado, portanto a lista completa ainda não está disponível (por favor, entre em contato se tiver mais informações). Monckton menciona vários estudos tidos como a 'a nata da nata'. A Deltoid também tem seus leitores categorizando estudos revisados desde 2003. Os artigos que supostamente rejeitam o consenso podem ser divididos em várias categorias:

Artigos não científicos

Dois artigos não tratam de pesquisas científicas de verdade, apenas revisam aspectos sociais da ciência do clima. Fico perplexo ao pensar por que eles seriam incluídos a não ser para "impulsionar os números":

  • Leiserowitz 2005 pergunta "As mudanças climáticas são perigosas?" em seguida prossegue para "descrever resultados de um estudo nacional que examinou a percepção de risco e os significados conotativos do aquecimento global na mente Americana". Em outras palavras, ele não respondeu a pergunta "as mundaças climáticas são perigosas?" - em vez disso, ele respondeu "o público acha que as mudanças climáticas são perigosas?"
  • Gerhard 2004 (publicado no Boletim da Associação Americana dos Geólogos de Petróleo) "resume o recente progresso científico na ciência do clima e os argumentos sobre a influência humana no clima".

Artigos que não rejeitam o consenso

Três artigos focam em aspectos específicos das mudanças climáticas, mas não rejeitam de fato o consenso:

  • Cao 2005 recomenda técnicas de modelagem multiescala para entender melhor e quantificar o ciclo do carbono. Ele menciona incertezas no nosso entendimento do ciclo do carbono, mas não refuta a posição de consenso de um todo.
  • Lai 2004 sugere processos internos no oceano que podem causar o aquecimento global. Paradoxalmente, ele fecha recomendando "reduzir as emissões de dióxido de carbono para a atmosfera, reduzindo assim o aquecimento global". Mais no oceano...
  • Moser 2005 estuda as incertezas do impacto do aumento do nível do mar em 3 estados americanos. A ênfase é na habilidade da sociedade se adaptar ao aumento do nível do mar e não contribui para a pesquisa sobre as causas do aquecimento global.

Artigos científicos sérios rejeitam o consenso

Existem alguns artigos que conduzem pesquisas originais e rejeitam o consenso. É útil ver os argumentos que eles apresentam para rejeitar o AGA:

  • Shaviv 2005 afirma que raios cósmicos estão causando o aquecimento global. Enquanto a ligação entre raios cósmicos e nuvens ainda está sendo debatida, o problema mais sério é que a correlação entre raios cósmicos e temperatura terminou nos anos 1970 quando a tendência global de aquecimento começou.  Mais em raios cósmicos...
  • Zhen-Shan 2006, realizam análises estatísticas com os registros de temperatura e concluem que a temperatura não segue linearmente o CO2. Olhando para o resfriamento global de 1940 a 1970, eles concluem "O aquecimento climático global não é afetado somente pelo efeito do gás de efeito estufa CO2". Ignorar o resfriamento pelos aerossóis e a forçante solar, embora não reconheçam que a relação entre temperatura e CO2 é logarítmica e não linear, são falhas graves. Mais em resfriamento global do meio do século...

Atualização em 20 Setembro de 2007: artigo não será publicado. Aparentemente, a notícia de que o artigo de Schulte seria publicado foi muito exagerada como confirmou a editora: A revista Energy and Environment não publicará o artigo:

 

"Sua pesquisa sobre artigos críticos ao consenso foi um pouco irregular e nada nova, como você apontou. Não era do nosso interesse; nada foi publicado."

 

Atualização em 24 de Março de 2008: Aparentemente a revista Energy and Environment reverteu sua política e publicou o artigo de Schulte.

Atualização em 25 de Março de 2008: Chris Monckton publicou seu lado da estória no DeSmogBlog. Em resposta à crítica de John Mashey ao artigo de Schulte.

 

Última atualização em 29 de Outubro de 2016 por John Cook. Ver Arquivos

Translation by claudiagroposo, . View original English version.



The Consensus Project Website

THE ESCALATOR

(free to republish)

Smartphone Apps

iPhone
Android
Nokia

© Copyright 2018 John Cook
Home | Links | Translations | About Us | Contact Us