Climate Science Glossary

Term Lookup

Enter a term in the search box to find its definition.

Settings

Use the controls in the far right panel to increase or decrease the number of terms automatically displayed (or to completely turn that feature off).

Term Lookup

Settings


All IPCC definitions taken from Climate Change 2007: The Physical Science Basis. Working Group I Contribution to the Fourth Assessment Report of the Intergovernmental Panel on Climate Change, Annex I, Glossary, pp. 941-954. Cambridge University Press.

Home Arguments Software Resources Comments The Consensus Project Translations About Donate

Twitter Facebook YouTube Pinterest

RSS Posts RSS Comments Email Subscribe


Climate's changed before
It's the sun
It's not bad
There is no consensus
It's cooling
Models are unreliable
Temp record is unreliable
Animals and plants can adapt
It hasn't warmed since 1998
Antarctica is gaining ice
View All Arguments...



Username
Password
Keep me logged in
New? Register here
Forgot your password?

Latest Posts

Archives

Climate Hustle

Que evidências existem para o 'taco de hóquei'?

O que a ciência diz...

Desde que o artigo sobre o 'taco de hóquei' foi publicado em 1998, tem havido uma série de estudos de testemunhos de paleoclima (registros usados para medições indiretas de temperatura) analisando uma variedade de fontes, incluindo corais, estalagmites, anéis de árvores, sondagens geológicas e testemunhos de gelo (amostra da acumulação de gelo durante diversos anos que recristalizou e aprisionou bolhas de ar de vários períodos diferentes). Todos eles confirmam a conclusão inicial do 'taco de hóquei': o século 20 é o mais quente dos últimos 1000 anos e que o aquecimento foi mais dramática após 1920.

Argumento cético...

O taco de hóquei está quebrado
"Em 2003, o professor McKitrick se uniu com um engenheiro canadense, Steve McIntyre, na tentativa de replicar o gráfico e finalmente desmascará-lo como um absurdo estatístico. Eles revelaram como o gráfico foi derivado de "erros de comparação, truncamento injustificado ou extrapolação dos dados de origem, dados obsoletos, inexatidão dos principais componentes dos cálculos, erros nas localizações geográficas e outros defeitos graves" -- afetando substancialmente o índice de temperatura." (John McLaughlin)

 O 'taco de hóquei' descreve a reconstrução das temperaturas dos últimos 1000 a 2000 anos usando anéis de árvores, testemunhos de gelo, corais e outros registros que atuam como registros indiretos das temperaturas (Mann 1999). A reconstrução detectou que a temperatura global esfriou gradualmente ao longo dos últimos 1000 anos com uma forte recuperação no século 20. O principal resultado do 'taco de hóquei' é que as temperaturas globais das útimas décadas são as mais quentes dos últimos 1000 anos.
 

Figura 1: Mudanças na temperatura do Hemisfério Norte estimadas a partir de vários registros, mostradas em azul (Mann 1999). Dados instrumentais mostrados em vermelho. Note a grande incerteza (área cinza) quando se volta no tempo.

Uma crítica do taco de hóquei foi publicada em 2004 (McIntyre 2004), alegando que a sua forma foi o resultado inevitável do método estatístico utilizado (Análise de Componentes Principais). Eles também alegaram que as temperaturas do século 15 foram deduzidas a partir dos registros de um tronco de pinheiro tortuoso. Eles concluíram que a forma de taco de hóquei não era estatisticamente significativa.

Uma avaliação independente do taco de hóquei de Mann foi realizada pelo National Center for Atmospheric Research  (Wahl 2007). Eles reconstruíram as temperaturas empregando uma variedade de técnicas estatísticas (com e sem Análise de Componentes Principais). Os resultados encontraram temperaturas ligeiramente diferentes no começo do século 15. No entanto, eles confirmaram os principais resultados do taco de hóquei - que a tendência de aquecimento e as temperaturas ao longo das últimas décadas não têm precedentes pelo menos nos últimos 600 anos.

Figura 2: Gráfico original do 'taco de hóquei' (azul - MBH1998) comparado com a reconstrução de Wahl & Ammann (vermelho). Registro instrumental em preto (Wahl 2007).

Enquanto muitos continuam a se fixar no trabalho inicial de Mann sobre os testemunhos de paleoclima, a paleoclimatologia evoluiu. Desde 1999, tem havido muitas reconstruções independentes das temperaturas do passado, usando uma variedade de registros e as mais diversas metodologias. Todos chegaram aos mesmos resultados - que as últimas décadas são as mais quentes nos últimos 500 a 2000 anos (dependendo de quão longe a reconstrução for). Quais são os testemunhos de paleoclima usados para determinar a temperatura do passado?

Mudanças na temperatura da superfície enviam ondas termais para o subterrâneo, resfriando ou aquecendo a rocha subterrânea. Para rastrear essas mudanças, as medições de temperatura subterrâneas foram examinadas a partir de mais de 350 furos de sondagens geológicas na América do Norte, Europa, África do Sul e Austrália (Huang, 2000). Reconstruções a partir de sondagens geológicas não são capazes de dar uma variação de curto prazo, produzindo apenas tendências em escala secular. O que eles encontraram é que o século 20 é o mais quente dos últimos cinco séculos e que apresenta a tendência mais forte de aquecimento em 500 anos.

Figura 3: Mudança na temperatura da superfície global nos últimos cinco séculos a partir de sondagens geológicas (linha vermelha). O sombreado representa a incerteza. A linha azul representa a média atingida a cada cinco anos pela temperatura global do ar próximo à superfície, dada pelo HadCRUT (Huang 2000).

Estalagmites (ou espeleotemas) são formadas pela ação da água em cavernas subterrâneas. Como são formadas anualmente, a espessura das camadas pode ser usada como uma medida indireta do clima. Uma reconstrução da temperatura do Hemisfério Norte a partir das estalagmites mostra que enquanto a distribuição da incerteza (área em cinza) é significativa, a temperatura no final do século 20 supera o máximo estimado para os 500 anos anteriores (Smith 2006). 

Figura 4: Reconstrução da temperatura anual no Hemisfério Norte a partir da reconstrução de espeleotemas, mostrada com 2 erros padrão (área sombreada) (Smith 2006).

Registros históricos do comprimento de geleiras podem ser usados como uma medida indireta da temperatura. Como o número de geleiras monitoradas diminui em direção ao passado, a incerteza aumenta nessa direção. No entanto, as temperaturas nas últimas décadas superam a distribuição da incerteza dos últimos 400 anos (Oerlemans 2005).

Figura 5: Temperatura média global calculada a partir de geleiras. As linhas verticais vermelhas indicam a incerteza.

É claro que esses exemplos remontam somente a cerca de 500 anos - eles não chegam a cobrir o Período Quente Medieval. Quando combinamos todos os tipos de medidas de aproximação, incluindo testemunhos de gelo, corais, sedimentos de lagos, geleiras, sondagens geológicas e estalagmites, é possível reconstruir as temperaturas do Hemisfério Norte sem usar as medidas dos anéis de árvores que remontam a 1.300 anos (Mann 2008). O resultado é que as temperaturas nas últimas décadas superam o máximo estimado pelos testemunhos de paleoclima (incluindo a distribuição da incerteza) para os últimos 1.300 anos. Quando os dados dos anéis de árvores são incluídos, os mesmos resultados são obtidos para os últimos 1.700 anos. 

Figura 6: Reconstrução das temperaturas do complexo terras e terras mais oceano do Hemisfério Norte e intervalos de confiança de 95% estimados. Para fins de comparação são mostradas outras reconstruções publicadas para o Hemisfério Norte (Mann 2008).

A paleoclimatologia se baseia em uma variedade de medidas e metodologias para calcular as temperaturas do passado. Isso permite a confirmação independente dos resultados do taco de hóquei: que as últimas décadas são as mais quentes dos últimos 1.300 anos. 

Translation by claudiagroposo, . View original English version.



The Consensus Project Website

THE ESCALATOR

(free to republish)

Smartphone Apps

iPhone
Android
Nokia

© Copyright 2017 John Cook
Home | Links | Translations | About Us | Contact Us