Climate Science Glossary

Term Lookup

Enter a term in the search box to find its definition.

Settings

Use the controls in the far right panel to increase or decrease the number of terms automatically displayed (or to completely turn that feature off).

Term Lookup

Settings


All IPCC definitions taken from Climate Change 2007: The Physical Science Basis. Working Group I Contribution to the Fourth Assessment Report of the Intergovernmental Panel on Climate Change, Annex I, Glossary, pp. 941-954. Cambridge University Press.

Home Arguments Software Resources Comments The Consensus Project Translations About Donate

Twitter Facebook YouTube Pinterest

RSS Posts RSS Comments Email Subscribe


Climate's changed before
It's the sun
It's not bad
There is no consensus
It's cooling
Models are unreliable
Temp record is unreliable
Animals and plants can adapt
It hasn't warmed since 1998
Antarctica is gaining ice
View All Arguments...



Username
Password
Keep me logged in
New? Register here
Forgot your password?

Latest Posts

Archives

Climate Hustle

Aquecimento global em Marte, o gelo das calotas está derretendo

O que a ciência diz...

O clima marciano é controlado, principalmente, pela poeira e pelo albedo e há poucas evidências empíricas de que Marte esteja sofrendo um aquecimento de longo prazo.

Argumento cético...

Marte está aquecendo
"Algumas pessoas acham que o nosso planeta está com febre. Agora os cientistas também estão dizendo que Marte está experimentando seu próprio aquecimento planetário: o aquecimento marciano. Cientistas observaram recentemente que alguns planetas do nosso sistema solar parecem estar aquecendo, incluindo Plutão.
A NASA diz que a "calota de gelo" do Polo Sul marciano vem encolhendo há três verões consecutivos. Talvez Marte tenha pego a febre da Terra. Se assim for, acho que Júpiter pegou o mesmo resfriado, porque está aquecendo, assim como Plutão." (Fred Thompson)

A primeira evidência empírica do aquecimento de longo prazo em Marte foi apresentada por Fenton, em 2007. Fenton comparou imagens de Marte de 1977, obtidas pela sonda Viking, com as imagens compiladas em 1999 pela Mars Global Surveyor (trabalho referência de Geissler 2005). As imagens de 1977 mostram um planeta mais brilhante. Já em 1999, o albedo do planeta estava mais baixo, com regiões mais escuras nas latitudes médias e altas do hemisfério Sul. Usando as mudanças de albedo em um modelo de circulação geral, Fenton calculou a tendência de aquecimento de Marte nesse período de 22 anos como sendo de 0,65°C.

Figura 1: Imagens de Marte de 1977 (acima) e de 1997 (abaixo). Cortesia de Geissler 2005.

Fenton atribuiu o aquecimento à poeira da superfície, a qual estaria causando uma mudança no albedo do planeta. A poeira marciana desempenha um papel importante no clima do planeta (Kahn 1992). As variações solares não são o principal regulador do clima marciano. No entanto, uma importante questão permanece: a interpretação do aquecimento global de longa duração em Marte está correta?

Uma visão mais ampla sobre a mudança do clima marciano

Para colocar esses resultados na perspectiva adequada, é necessário compreender quais forças controlam o clima marciano. Tempestades de poeira globais aumentam o albedo da superfície pela sedimentação da poeira brilhante sobre as superfícies escuras. Dentro de um ano após uma tempestade de areia, vários sistemas eólicos removem a poeira e Marte retorna a um albedo normal, mais baixo.

As imagens de 1977 foram capturadas após uma tempestade ter depositado areia nas latitudes meridionais, deixando a superfície do planeta mais clara. Antes da tempestade, o albedo do planeta era comparável às medidas recentes (Szwast 2006).

Fenton tirou conclusões sobre o clima ao longo do tempo, comparando os dois pontos extremos. Isso levou ao erro clássico de confundir tempo com clima (semelhante ao que aconteceu recentemente com o argumento de arrefecimento global). No entanto, quando se olha para os dados de forma mais abrangente, não se percebe uma tendência de longo prazo no albedo:


Figura 2: Comparação dos dados amostrados por Fenton 2007 (esquerda, comparando os dois pontos extremos) e o conjunto completo dos dados (cortesia Mark Richardson).

O aparente aquecimento de longo prazo entre os anos 1970 e 1990 é em grande parte uma consequência do momento em que as duas imagens foram tiradas. A imagem "brilhante" de 1977 foi obtida logo após uma tempestade de poeira, quando o planeta estava temporariamente mais claro. A imagem "mais escura" obtida em 1999 foi do planeta em seu estado normal. Há pouca evidência de que Marte esteja passando por um evento temporal (escala de décadas) de aquecimento global de longo prazo. De fato, após a tempestade de poeira de 2001, o hemisfério sul estava mais brilhante do que em 1977 (Szwast 2006).

Conclusão

A evidência empírica sobre se o aquecimento global está acontecendo em Marte não é conclusiva. No entanto, informações suficientes sobre a atividade solar e clima da Terra para responder à pergunta sobre se o sol está causando o aquecimento no nosso planeta. Muitos trabalhos têm analisado esses dados, concluindo que a correlação entre o sol e clima terminou na década de 70, quando começou a tendência moderna de aquecimento global.

Assim, o argumento de que o aquecimento em Marte contradiz o aquecimento global de origem antrópica falha em dois pontos - há pouca evidência empírica de que Marte está aquecendo e o clima de Marte é controlado, principalmente, pela poeira e pelo albedo, não pelas variações solares.

Translation by claudiagroposo, . View original English version.



Get It Here or via iBooks.


The Consensus Project Website

TEXTBOOK

THE ESCALATOR

(free to republish)

THE DEBUNKING HANDBOOK

BOOK NOW AVAILABLE

The Scientific Guide to
Global Warming Skepticism

Smartphone Apps

iPhone
Android
Nokia

© Copyright 2017 John Cook
Home | Links | Translations | About Us | Contact Us