Climate Science Glossary

Term Lookup

Enter a term in the search box to find its definition.

Settings

Use the controls in the far right panel to increase or decrease the number of terms automatically displayed (or to completely turn that feature off).

Term Lookup

Settings


All IPCC definitions taken from Climate Change 2007: The Physical Science Basis. Working Group I Contribution to the Fourth Assessment Report of the Intergovernmental Panel on Climate Change, Annex I, Glossary, pp. 941-954. Cambridge University Press.

Home Arguments Software Resources Comments The Consensus Project Translations About Donate

Twitter Facebook YouTube Pinterest

RSS Posts RSS Comments Email Subscribe


Climate's changed before
It's the sun
It's not bad
There is no consensus
It's cooling
Models are unreliable
Temp record is unreliable
Animals and plants can adapt
It hasn't warmed since 1998
Antarctica is gaining ice
View All Arguments...



Username
Password
Keep me logged in
New? Register here
Forgot your password?

Latest Posts

Archives

Climate Hustle

Será que os altos níveis de CO2 do passado contradizem o efeito de aquecimento do CO2?  

O que a ciência diz...

A glaciação do Ordoviciano foi um breve período frio durante uma era quente, devido a um somatório de condicionantes. Ela é inteiramente consistente com a ciência do clima.

Argumento cético...

O CO2 já foi mais alto no passado

"A derradeira prova de que o CO2 não regula o clima é encontrada em registros dos períodos Ordoviciano-Siluriano e Jurássico-Cretáceo, quando os níveis de CO2 eram maiores que 4000 ppmv (partes por milhão por volume) e 2000 ppmv, respectivamente. Se a teoria do IPCC estivesse correta, deveria ter havido um aquecimento global desenfreado nesses períodos, no entanto houve glaciação." (The Lavoisier Group)

Geólogos se referem à formação de calotas de gelo e às idades do gelo como "glaciações". Uma dessas glaciações que ocorreu no Ordoviciano Superior, aproximadamente 444 milhões de anos atrás, chamou a atenção de cientistas climáticos e céticos. Para se ter uma ideia de tempo, essa glaciação ocorreu mais de 200 milhões de anos antes dos dinossauros surgirem sobre a Terra.

Diferente de outras glaciações nos últimos 500 milhões de anos, essa foi excepcionalmente breve (durando talvez apenas um milhão de anos ou próximo disso), mas a razão principal para  tanto interesse é por que ela ocorreu quando os níveis de CO2 estavam, aparentemente, extremamente altos. Como Ian Plimer escreveu em seu livro "Heaven and Earth", pág. 165:

"A prova de que o CO2 não regula o clima pode ser observada em glaciações antigas... se a visão catastrofista popular for aceita, então deveria ter havido um aquecimento desenfreado quando o CO2 estava acima de 4000 ppmv. Ao invés disso, houve glaciação. Claramente um nível de CO2 atmosférico alto não regula o aquecimento global e não há qualquer relação entre temperaturas globais e o CO2 atmosférico."

Em uma rápida análise, Plimer traz um ponto interessante: se calotas de gelo existiram em um ambiente com níveis ultra-altos de CO2, por que a maioria esmagadora de cientistas do clima se preocupa tanto em manter baixos os níveis de CO2?

Para respondermos isso, precisamos encontrar algumas peças perdidas deste quebra-cabeça. Comecemos com o CO2.

O valor de 4000 ppmv ou superior, alegado por Plimer, foi retirado do trabalho de Robert Berner - GEOCARB, um conhecido modelo geoquímico para o CO2 do passado. Como o Ordoviciano ocorreu muito tempo atrás, existem grandes incertezas para o período (de acordo com o modelo, o CO2 estava entre incríveis 2400 a 9000 ppmv). Mais do que isso, o modelo GEOCARB tem um intervalo mínimo de tempo de 10 milhões de anos, levando Berner a desaconselhar, explicitamente, o uso dele para estimar os níveis de CO2 do Ordoviciano Superior devido à inabilidade de considerar a flutuação de CO2 de curta duração. Ele menciona que "os valores específicos de CO2... não devem ser considerados literalmente".

E quanto às evidências dessas flutuações de curta duração do CO2? Pesquisas recentes têm descoberto evidências de temperaturas mais baixas do que até então imaginadas para os oceanos durante o Ordoviciano, criando condições ideais para um grande pulso de diversidade marinha, levando a uma grande redução dos níveis de CO2 da atmosfera pela utilização deste nos oceanos. Um período de formação de montanhas também estava a caminho (a chamada Orogenia Tacônica), aumentando o intemperismo das rochas e reduzindo mais ainda os níveis de CO2. A evidência para uma oscilação de curta duração do ciclo do carbono definitivamente está aí.

Um outro fator importante é o Sol. Durante o Ordoviciano, ele estaria muito menos brilhante de acordo com modelos nucleares, bem embasados, das principais sequências de estrelas. Surpreendentemente, isso aumenta o limite de CO2 necessário para uma glaciação ocorrer para um desconcertante valor de 3000 ppmv. Isso também explica (junto com o efeito da forçante logarítmica do CO2) por que um evento de aquecimento desenfreado não ocorreu: com um Sol mais fraco, um valor mais elevado de CO2 é necessário para impedir a Terra de congelar.

Em resumo, nós sabemos que o CO2 foi, provavelmente, muito alto no Ordoviciano Superior. No entanto, a subsequente queda do CO2 foi breve o suficiente para não ser registrada no modelo GEOCARB, mas ainda assim baixa o suficiente (com a ajuda de um Sol mais fraco) para desencadear formações de gelo permanentes. Em outras palavras, foi uma era quente com um breve mergulho em um período frio, devido a uma coincidência de fatores.

O diagrama a seguir (simplificado) pode auxiliar no entendimento da questão:

Ordovician Glaciation

Quando se observam eventos como este no longínquo passado geológico, é vital ter em mente que existem muitas incertezas e que, genericamente falando, quanto mais para trás nós olhamos, mais incertezas existem. Conforme nossas técnicas paleoclimáticas forem melhorando e outras descobertas surgirem, esta história sem dúvida nenhuma será refinada. Além disso, apesar do CO2 ser um elemento chave no controle do clima, seria um erro pensar que ele é o único a controlá-lo; ignore os outros elementos e você provavelmente irá interpretar a história do jeito errado.

Refutação a nível básico escrita por steve.oconnor


Atualização em Julho de 2015:

A seguir uma vídeo-aula relacionada ao tema, do curso Denial101x - Making Sense of Climate Science Denial

 

Translation by Luciano Marquetto, . View original English version.



The Consensus Project Website

THE ESCALATOR

(free to republish)

Smartphone Apps

iPhone
Android
Nokia

© Copyright 2019 John Cook
Home | Links | Translations | About Us | Contact Us