Climate Science Glossary

Term Lookup

Enter a term in the search box to find its definition.

Settings

Use the controls in the far right panel to increase or decrease the number of terms automatically displayed (or to completely turn that feature off).

Term Lookup

Settings


All IPCC definitions taken from Climate Change 2007: The Physical Science Basis. Working Group I Contribution to the Fourth Assessment Report of the Intergovernmental Panel on Climate Change, Annex I, Glossary, pp. 941-954. Cambridge University Press.

Home Arguments Software Resources Comments The Consensus Project Translations About Donate

Twitter Facebook YouTube Pinterest

RSS Posts RSS Comments Email Subscribe


Climate's changed before
It's the sun
It's not bad
There is no consensus
It's cooling
Models are unreliable
Temp record is unreliable
Animals and plants can adapt
It hasn't warmed since 1998
Antarctica is gaining ice
View All Arguments...



Username
Password
New? Register here
Forgot your password?

Latest Posts

Archives

O que aprendemos com a previsão de 1988 de Hansen?

O que a ciência diz...

Os resultados de Hansen de 1988 são evidência de que a real sensibilidade do clima é aproximadamente de 3°C quando se dobra o nível do CO2 atmosférico.

Argumento cético...

A previsão de 1988 de Hansen estava errada

"Em 23 de Junho de 1988 James Hansen, cientista da NASA, testemunhou perante a Câmara dos Deputados que havia uma forte "relação de causa e efeito" entre as temperaturas observadas e as emissões antrópicas para a atmosfera. Naquela época, Hansen também produziu um modelo do comportamento futuro das temperaturas globais, que ele transformou em um vídeo que foi amplamente divulgado no Congresso. Tal modelo previu que as temperaturas entre 1988 e 1997 aumentariam em 0,45 °C (Figura 1). Medidas de temperatura ao nível do solo do IPCC mostram um aumento de 0,11 °C, ou mais de quatro vezes menos do que o previsto por Hansen. A previsão feita em 1988 foi um fracasso surpreendente, e a declaração do IPCC em 1990 sobre a natureza dessas projeções estava errada." (Pat Michaels)

Em 1988, James Hansen projetou tendências de aquecimento futuros. Ele utilizou três cenários diferentes, identificados como A, B e C. Cada um representava diferentes níveis de emissão de gases de efeito estufa. O cenário A assumiu que as emissões continuariam a acelerar. O cenário B assumiu uma desaceleração e eventualmente uma taxa de crescimento contínuo. O cenário C assumiu um rápido declínio nas emissões próximo ao ano 2000. As emissões reais de gases de efeito estufa desde 1988 têm ficado próximas ao cenário B. Como mostrado abaixo, o aquecimento real tem sido menor do que o cenário B.

Hansen through 2016 
Figura 1: Temperatura da superfície global modelada para os cenários A, B e C, comparadas com dados observacionais.

Como o cientista climático John Christy observou"isso demonstra que o antigo [modelo climático global da] NASA era consideravelmente mais sensível aos gases do efeito estufa que a atmosfera real." No entanto, o Dr. Christy não investigou o motivo do modelo climático ser tão sensível. Existem duas razões principais para a previsão superestimada de Hansen:

  1. O cenário B, que era o mais próximo da realidade, superestimou ligeiramente o aumento dos gases de efeito estufa. Não apenas o dióxido de carbono, mas também o metano e os clorofluorocarbonetos (CFCs).
  2. O modelo climático de Hansen usou um parâmetro de sensitividade climática muito elevado. A sensitividade climática descreve o quão sensível é o clima global em relação a uma mudança na quantidade de energia incidindo na superfície da Terra e na baixa atmosfera.

Se considerarmos o aumento dos gases de efeito estufa na atmosfera inferior, podemos comparar as taxas de aquecimento global observadas com as taxas projetadas, conforme a versão avançada deste argumento [em inglês]. De modo a prever com precisão o clima global dos últimos 22 anos, o modelo climático de Hansen precisaria ter apresentado uma sensibilidade climática de aproximadamente 3,4°C para o dobro de CO2 na atmosfera. Esse valor está dentro do intervalo de sensibilidade climática estimado pelo IPCC, de 2 - 4,5°C para o dobro de CO2 na atmosfera. É até um pouco maior do que o valor atualmente aceito como mais provável, de 3°C.

Em suma, a principal razão para as projeções de Hansen em 1988 terem sido demasiado altas é que ele utilizou um modelo climático com elevada sensibilidade climática. Seus resultados são, na verdade, evidência de que o parâmetro de sensibilidade climática real está dentro do intervalo aceito pelo IPCC.

Refutação básica escrita por John Cook

Nov. 13, 2017 - Gráfico atualizado com dados até 2016 (BaerbelW)


Atualização em Julho de 2015:

A seguir é apresentada uma videoaula relacionada ao tema abordado, do curso online Denial101x - Making Sense of Climate Science Denial

 

Última atualização em 14 de Novembro de 2017 por pattimer. Ver arquivos

Translation by Luciano Marquetto, . View original English version.



The Consensus Project Website

THE ESCALATOR

(free to republish)


© Copyright 2020 John Cook
Home | Links | Translations | About Us | Privacy | Contact Us