Climate Science Glossary

Term Lookup

Enter a term in the search box to find its definition.

Settings

Use the controls in the far right panel to increase or decrease the number of terms automatically displayed (or to completely turn that feature off).

Term Lookup

Settings


All IPCC definitions taken from Climate Change 2007: The Physical Science Basis. Working Group I Contribution to the Fourth Assessment Report of the Intergovernmental Panel on Climate Change, Annex I, Glossary, pp. 941-954. Cambridge University Press.

Home Arguments Software Resources Comments The Consensus Project Translations About Donate

Twitter Facebook YouTube Pinterest

RSS Posts RSS Comments Email Subscribe


Climate's changed before
It's the sun
It's not bad
There is no consensus
It's cooling
Models are unreliable
Temp record is unreliable
Animals and plants can adapt
It hasn't warmed since 1998
Antarctica is gaining ice
View All Arguments...



Username
Password
Keep me logged in
New? Register here
Forgot your password?

Latest Posts

Archives

Climate Hustle

O gelo do mar Ártico voltou ao normal?

O que a ciência diz...

O gelo espesso do mar ártico está em rápida retração.

Argumento cético...

O gelo do mar Ártico se recuperou

"Aqueles que têm acompanhado os dados do NSIDC (Centro Nacional de Dados sobre Gelo e Neve) e da JAXA (Agência Japonesa de Exploração Aeroespacial) sobre gelo marinho notaram que este tem sido um ano extraordinário até o momento, com o gelo do mar Ártico atingindo a linha "normal" em alguns conjuntos de dados...

Até agora, a JAXA mostra que temos mais gelo do que em qualquer outro momento dos últimos 8 anos de medições do satélite Aqua para o conjunto de dados AMSR-E."  (Anthony Watts, 22 de Abril de 2010)

Discussões sobre a quantidade de gelo marinho no Ártico, frequentemente, confundem duas medidas muito distintas sobre a quantidade de gelo existente. Uma medida é a extensão do gelo marinho a qual, como o próprio nome diz, mede a extensão do oceano coberta em 15% ou mais da sua superfície, por gelo. Essa é uma medida bidimensional; a extensão não nos diz quão espesso é o gelo. A outra medida do gelo Ártico, que usa as três dimensões, é a  de volume, que indica quanto gelo realmente existe.

O gelo marinho consiste de uma camada de gelo novo, a qual é fina, e uma camada de gelo mais antiga, a qual vem acumulando volume, chamada de permanente ou plurianual. A camada plurianual é muito importante porque ela constitui a maior parte do volume de gelo do Polo Norte. Volume também é uma medida importante quando se trata de mudanças climáticas, porque é com o volume de gelo – a enorme quantidade dele – que a ciência está preocupada, e não com a quantidade de mar coberta por uma fina camada dele*.

Ao longo do tempo, o gelo marinho reflete as rápidas mudanças do clima. Sendo impulsionado, principalmente, pelas mudanças na temperatura da superfície, recuperando-se e derretendo de acordo com as estações, ventos, nuvens e correntes oceânicas. Em 2010, por exemplo, a extensão do gelo marinho se recuperou dramaticamente em Março, voltando a derreter apenas em Maio.

O gelo marinho está sujeito aos fortes efeitos de curto prazo, por isso, embora não possamos concluir nada sobre a saúde do gelo a partir dos dados de alguns anos, surge uma tendência óbvia no espaço de uma década ou mais, mostrando um redução de cerca de 5% na cobertura média de gelo marinho, por década.

Click to enlarge
Fonte: Rayner et.al., 2004, atualizado

Para onde foi o gelo espesso?

Quando consideramos a camada de gelo plurianual e analisamos várias medições desta, vemos um declínio acentuado. Como você pode imaginar, o gelo mais espesso precisa muito mais calor para derreter, por isso o fato dele estar desaparecendo tão rápido gera grande preocupação.

Click for larger version
Fonte: Centro de Ciência Polar, Universidade de Washington

Está claro a partir de vários conjuntos de dados, terrestres e por satélites, que tanto a extensão do gelo quanto o volume da camada plurianual estão diminuindo. A extensão do gelo marinho se recuperou ligeiramente durante o inverno Ártico de 2008-09, mas a real dimensão da redução ou ganho de gelo anual pode ser observada no mês de Setembro de cada ano, ao final do verão Ártico. O volume da camada plurianual de gelo não tem se recuperado e está mostrando uma tendência fortemente negativa.

Nota: Embora uma fina camada de gelo não nos diga muita coisa sobre o estado geral da perda de gelo no Ártico, ela nos diz muito sobre o Albedo, a propriedade do gelo de refletir o calor de volta para o espaço. Quando o gelo marinho diminui, mais calor passa para os oceanos. Isso aquece o gelo espesso e acelera o derretimento da camada fina de gelo, a qual por sua vez permite que mais calor se acumule nos oceanos. Isso é um exemplo de retroalimentação positiva.

Refutação básica escrita por GPWayne


Atualizado em Julho de 2015:

Segue um vídeo-palestra relacionado ao assunto: Denial101x - Making Sense of Climate Science Denial

Translation by claudiagroposo, . View original English version.



The Consensus Project Website

THE ESCALATOR

(free to republish)

Smartphone Apps

iPhone
Android
Nokia

© Copyright 2018 John Cook
Home | Links | Translations | About Us | Contact Us